Anita Stasulane

Agni Yoga / Ética Viva

AGNI YOGA / LIVING ETHICS CRONOGRAMA

1847: Nicholas Roerich, fundador da Agni Yoga/Vida Ética, nasceu em São Petersburgo (Rússia).

1893-1898: Nicholas Roerich estudou jurisprudência na Universidade de São Petersburgo e frequentou a Academia Imperial de Artes.

1899: Nicholas Roerich conheceu Helena Shaposhnikova, que se tornou sua esposa e colega mais próxima.

1900-1901: Nicholas Roerich estabeleceu contatos com círculos esotéricos em Paris e começou a participar de sessões espíritas.

1908: A Seção Russa da Sociedade Teosófica foi fundada.

1909: Nicholas Roerich foi eleito membro da Academia Russa de Artes.

1912: Os primeiros contornos da imagem do Mãe do mundo apareceu no afresco retratado por Nicholas Roerich em Talashkino, na província de Smolensk.

1916-1921: Uma coleção de sessenta e quatro poemas Tsvety Morii (As Flores de Morya) marcado por um forte subtexto teosófico foi escrito por Nicholas Roerich.

1918-1919: Os Roerichs se mudaram para a Finlândia e a Suécia depois de terem deixado a Rússia bolchevique.

1919: Os Roerichs se mudaram para a Grã-Bretanha e começaram a reunir seguidores.

1920: Os Roerichs chegaram aos EUA

1921-1923: Os Roerichs construíram a estrutura organizacional de seu movimento estabelecendo quatro instituições nos Estados Unidos: a Sociedade Internacional de Artistas (Cor Ardens), o Master Institute of United Arts, o International Art Center (Corona Mundi) e o Museu Roerich.

1923: O primeiro livro de Agni Yoga, As folhas do jardim de Morya, foi publicado em inglês em uma tradução de Louis L. Horch.

1923: Os Roerichs chegaram à Índia e depois se estabeleceram em Darjeeling, localizado no sopé do Himalaia.

1925-1928: Os Roerichs empreenderam a Expedição Centro-Asiática.

1947: Nicholas Roerich faleceu.

1955: Helena Roerich faleceu.

1957: O filho de Roerich, George (Yuri) Roerich (1902-1960) retornou à Rússia.

1987: Svetoslav Roerich (1904-1993) reuniu-se com o secretário-geral do Partido Comunista da URSS, Mikhail Gorbachev.

1989: A Sovetskiy Fond Rerihov (a Fundação Soviética dos Roerichs) foi estabelecida.

1991: O Centro Internacional dos Roerichs, que coordena a maioria dos grupos Roerich nas nações pós-soviéticas, começou seu trabalho em Moscou.

HISTÓRICO FUNDADOR / GRUPO

A teosofia sofreu numerosos cismas e a criação de novos ramos. Agni Yoga/a Ética Viva, fundada pelo pintor russo Nicholas Roerich (1847-1947) e sua esposa Helena Roerich (1879-1955), é um dos ramos mais difundidos da Teosofia. Com base na ontologia, cosmogonia e antropologia desenvolvida por Helena Blavatsky, os Roerichs criaram um novo sistema teosófico enriquecido com elementos da ética e da psicologia. Hoje em dia, os ensinamentos de Roerich são consistentemente chamados de Ética Viva ao invés de Agni Yoga no espaço pós-soviético. Nicholas e Helena Roerich usaram ambos os nomes como sinônimos. O conceito de Ética Viva foi concebido como um contraste com a ética da Igreja Cristã que, segundo eles, havia perdido a espiritualidade (Roerich, 1933:23).

Desde os primórdios do movimento, os seguidores de Roerich foram caracterizados pelo respeito ao fundador da Agni Yoga Society, cuja autoridade é baseada em uma narração sobre a origem especial da família Roerich. Desde as primeiras publicações dedicadas à pintura de Roerich, e terminando com as últimas monografias que analisam vários aspectos da atividade dos Roerich, a lenda criada na própria família Roerich sobre a ligação da família aos vikings tem sido persistentemente repetida. No início do século XX, afirmava-se que o nome Roerich, de origem escandinava, significa “rico em glória”: rö ou ru (glória) e rico (rico) (Мантель 1912:3). A lenda sobre a história familiar especial atingiu seu ápice na afirmação de que os ancestrais de Roerich eram descendentes do viking Rurik, o fundador do primeiro estado russo. A consolidação dessa lenda foi promovida por Aleksey Remizov (1877-1957), amigo de Roerich, obcecado pelo amor pelo norte da Rússia, que publicou um conto mitologicamente poético sobre as origens da família Roerich (Ремизов 1916).

As origens escandinavas dos Roerichs são mencionadas em quase todas as publicações dedicadas a Nicholas Roerich no início do século XX, embora também haja discussão simultânea sobre suas raízes russas (Ростиславов 1916:6). Na década de 1930, a história sobre as origens escandinavas da família Roerich era tão conhecida, que também foi repetida fora da Rússia como um fato geralmente conhecido (Duvernois 1933:7-8). Nos anos 1970 e 1980, quando o regime comunista dentro da URSS derreteu e novos livros puderam ser publicados sobre o pintor emigrante N. Roerich, a mesma lenda sobre as origens da família se repetiu (Беликов, Князева 1973; Полякова 1985). Os autores dos países ocidentais também falaram sobre as origens escandinavas da família Roerich nas décadas de 1970 e 1980 (Paelian 1974; Decter 1989).

Apesar da tendência de repetir a lenda sobre as origens da família Roerich sem se aprofundar, alguns autores, no entanto, mencionaram a ligação de Roerich com a Letônia (Полякова 1985:3; Короткина 1985:6). Hoje em dia, os seguidores de Roerich em Riga não negam a ligação da família de Nicholas Roerich com a Letónia. Os Roerichs surgiram dos Báltico-Alemães (Silārs 2005:64), que entraram na Curlândia da Pomerânia; hoje em dia, esta é a parte ocidental da Polônia e a parte oriental da Alemanha, situada no Mar Báltico. Nas últimas pesquisas, a origem do sobrenome Roerich do nome masculino escandinavo Hroerikr foi rejeitada. É mais provável que as origens do sobrenome tenham surgido de das Röhricht (junco) (Silārs 2005:64). Através de uma pesquisa detalhada de documentos de arquivo, o ancestral mais antigo de Nicholas Roerich foi descoberto, seu tataravô Johann Heinrich Röehrich (1763-1820), que era sapateiro (Silārs 2005:70) e vivia na Letônia, onde o sobrenome Roerich continua sendo bastante difundido na região oeste.

Nicholas Roerich [Imagem à direita] nasceu em São Petersburgo na família de Konstantin e Maria Roerich. Quando jovem, mostrou grande interesse pela história e literatura da Rússia antiga: escreveu poemas, histórias e peças de teatro sobre temas históricos. O encontro com o reino dos mistérios foi causado principalmente por seu avô paterno, Friedrich (Fyodor) Roerich, que tinha uma coleção de misteriosos símbolos maçônicos (Рерих 1990:24). Frequentou uma das melhores e mais caras escolas particulares de São Petersburgo, o ginásio de Karl von May. O artista Mikhail Mikeshin (1835–1896) notou pela primeira vez o talento artístico de Nicholas e se tornou seu primeiro professor de arte. O pai, que sempre sonhou que seu filho estudasse direito, permitiu que ele entrasse na Academia Imperial de Artes (1893) com a condição de que ele se matriculasse simultaneamente nos departamentos de direito da Universidade de São Petersburgo. Na virada do século, muitos artistas russos estavam preocupados que a crescente industrialização roubasse a vida de sua beleza natural. Começou o renascimento do interesse pelas artes e ofícios populares, bem como o desejo de estudar, colecionar e preservar a arte e a arquitetura do passado. A preservação do patrimônio cultural tornou-se uma causa à qual Nicholas Roerich dedicou grande parte de sua escrita e pintura, e boa parte de sua vida.

Ninguém influenciou tão vitalmente o pensamento de Nicholas como Helena Shaposhnikova [Imagem à direita] que ele conheceu em 1899. Ele se desviou dos assuntos históricos e começou a pintar de uma maneira muito mais brilhante e colorida. Em 1901, Nicolau e Helena se casaram, e Helena se tornou sua companheira e inspiração para o resto de sua vida. Em 1912, Nicholas iniciou uma série de pinturas “proféticas” e empregou detalhes dos sonhos de Helena em suas pinturas. Seu crescente envolvimento nos ensinamentos filosóficos e espirituais do Oriente foi mais diretamente influenciado por Helena, que tinha um profundo interesse pelas religiões e filosofias orientais.

Permaneceu desconhecido de quais fontes Nicholas Roerichs obteve as primeiras informações sobre a Teosofia. Ele havia se engajado bastante ativamente na vida do salão. De vez em quando, ele participava do sredy v bashne (quartas-feiras na torre), onde os simbolistas russos se reuniam regularmente no apartamento do poeta, filósofo e crítico literário Vyacheslav Ivanov (1866-1949). “Quartas-feiras na torre” tornou-se uma escola de Teosofia para muitos intelectuais, pois Ivanov era frequentemente visitado por uma das teosofistas russas mais ativas, Anna Mintsolova (1865-1910?), que estava tentando seguir Blavatsky até mesmo em sua aparência. Nicholas Roerich foi tão fortemente afetado pelas obras de Blavatsky “As Estâncias de Dzyan” e “A Voz do Silêncio” que sua coleção de sessenta e quatro poemas em versos brancos “Cvety Morii” (As Flores de Morya) escrita em grande parte entre 1916 e 1921 foram marcados por um forte subtexto teosófico.

A atitude de Nicholas Roerich em relação à Revolução Russa de 1917 foi descrita de várias maneiras, pois a orientação política do artista mudou várias vezes. Durante o período do Império Czarista, as visões políticas de Nicholas Roerich eram distintamente monarquistas, mas após a revolta bolchevique na Rússia, ele aceitou uma oferta para trabalhar sob a asa do novo poder, enquanto que depois que o artista imigra para o Ocidente, ele criticou fortemente contra os bolcheviques (Roerich 1919). Em janeiro de 1918, os Roerichs deixaram a Rússia para a Finlândia; em 1919 ficaram em Londres; e em 1920 eles vieram para Nova York.

A Agni Yoga Society se desenvolveu nos Estados Unidos em meados da década de 1920 (Melton 1988:757), quando as primeiras pessoas interessadas nela começaram a se reunir para estudar as mensagens recebidas pelos Roerichs dos Mahatmas, publicadas em As folhas do jardim de Morya (1923). Os Roerichs começaram a reunir seguidores na Europa Ocidental em torno deles antes mesmo da publicação do primeiro livro Agni Yoga/Living Ethics. Os Roerichs acreditavam na capacidade dos médiuns de fazer contato com os mortos, participando e, posteriormente, até mesmo realizando sessões espíritas, que eram “minutas” (Рерих 2011:20); isto é, os enunciados recebidos durante as sessões eram registrados, para que pudessem ser considerados posteriormente (Roerich 1933:177). O trabalho da vida de Helena começou no registro das mensagens recebidas durante as sessões espíritas. Outros livros seguiram o primeiro volume de Agni Yoga, e esses dezessete livros são estudados por todos os grupos de seguidores de Roerich.

Inicialmente, a estrutura organizacional do movimento foi baseada em quatro instituições estabelecidas nos EUA: a International Society of Artists (Cor Ardens) (1921), o Master Institute of United Arts (1921), o International Art Center (Corona Mundi) (1922) e o Museu Roerich (1923). Várias outras sociedades se filiaram em torno delas, cujo trabalho foi coordenado principalmente pelo Museu Roerich. O movimento Roerich se espalhou surpreendentemente rápido; quarenta e cinco sociedades em vinte países foram estabelecidas de 1929 a 1930 (Roerich 1933:177). Esses grupos geralmente se formavam após a participação bem-sucedida de Roerich em exposições. Em uma década, os Roerichs foram capazes de criar uma rede bem coordenada de novos grupos teosóficos.

O movimento Roerich começou na chamada época da segunda geração teosófica, quando a Sociedade Teosófica era liderada por Annie Besant (1847-1933) com seu colega mais próximo Charles Webster Leadbeater (1854-1934). Os Roerichs tentaram colaborar com seu grupo. Em janeiro de 1925, Nicholas Roerich visitou Adyar (Índia). Antes de sua chegada a Adyar, Roerich publicou o artigo “A Estrela da Mãe do Mundo” (Roerich 1924) profetizando a chegada de uma nova época da Grande Mãe do Mundo. Ele deixou a pintura O mensageiro, dedicado a Blavatsky, na esperança de criar o Museu Blavatsky em Adyar (Roerich 1967:280). A visita obviamente não havia alcançado os objetivos esperados: em Adyar ele era respeitado apenas como um artista notável, e a mensagem do início da nova era não havia sido aceita pela Sociedade Teosófica. Como a colaboração não se desenvolveu, os Roerichs rejeitaram as alegações de Besant e Leadbeater de ter autoridade superior no rebanho teosófico. Como Helena havia traduzido a obra de Blavatsky A Doutrina Secreta para o russo, a relação dos Roerich com a Sociedade Teosófica Russa, que detinha os direitos de tradução da obra de Blavatsky, deteriorou-se. Discordâncias também se desenvolveram com outros grupos teosóficos para os Roerichs: eles rejeitaram a Templo do Povo (1898) criado na Califórnia por Francia La Due (1849-1922) e William Dower (1866-1937) e o Escola Arcana (1923) estabelecido por Alice A. Bailey (1880-1949). Os Roerichs se opuseram severamente a todos os grupos teosofistas, alegando que eles próprios “têm todo o Oceano de Ensino, as obras e fundamentos de HP Blavatsky, e todos os tesouros da Sabedoria do Oriente também” (Roerich 1967:280). .

Os Roerichs publicaram a série de livros Agni Yoga, que terminou em 1938 com Supermundano e sustentou que Helena Roerich recebeu mensagens do Professor Morya, que já havia estado em contato com Blavatsky. Para destacar o serviço de Helena Roerich, ela é chamada de Mãe Agni Yoga, que recebeu uma função redentora no sistema teosófico dos Roerich (Infinity 1956:186). Em 1924, Roerich publicou um artigo A Estrela da Mãe do Mundo in The Theosophist revista e anunciou que uma nova era se aproximava, a era da filha da Grande Mãe (Roerich 1985:154). Roerich discerniu o início da nova era em um signo especial: em 1924, Vênus, ou seja, uma estrela da Mãe do Mundo, havia se aproximado da Terra por um curto período (Рерих 1931:50).

A disseminação do Agni Yoga/Ética Viva na terra natal dos Roerichs teve os maiores obstáculos devido a circunstâncias políticas históricas. Embora os Roerichs também tivessem apoiadores na URSS, seu ensino não era conhecido pela sociedade em geral após a Segunda Guerra Mundial. A situação mudou após a morte de Stalin. Em 1957, seu filho George (Yuri) Roerich (1902-1960) retornou à Rússia. George promoveu a arte do pai em paralelo com seu próprio trabalho no Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências. Exposições seguiram, uma após a outra, em várias cidades da URSS após a primeira exposição de pinturas em Moscou (1958) de Nicholas Roerich. Embora a literatura teosófica tenha sido proibida, as pinturas de Roerich expostas nos museus proporcionaram uma grande oportunidade para popularizar o ensino teosófico, e a arte serviu como a porta que conduzia ao mundo do Agni Yoga/Ética Viva.

Na década de 1980, Svetoslav Roerich (1904-1993) teve um papel crucial no desenvolvimento do movimento. Ele se encontrou com M. Gorbachev e sua esposa Raisa (1987), que logo se juntou ao grupo de seguidores de Roerich em Moscou. Com o colapso do sistema ideológico soviético, oportunidades muito mais amplas se abriram para a disseminação do Agni Yoga/Ética Viva, e sociedades Roerich foram estabelecidas em muitos lugares do império soviético em ruínas. [Imagem à direita] Destes, o grupo de Moscou operou com mais sucesso. Estabeleceu o Museu N. Roerich e a Fundação Soviética dos Roerichs (1989), que continua suas operações agora como o Centro Internacional dos Roerichs (1991). Em 2017, o Ministério da Cultura da Federação Russa apreendeu a propriedade de Lopoukhins, onde o Museu estava localizado. Isso dificultou muito o funcionamento do Centro Internacional de Roerichs.

A lenda sobre as origens escandinavas da família Roerich continua a circular e também se repete intensamente tanto no espaço pós-soviético quanto no mundo ocidental. Nas fileiras dos seguidores do Agni Yoga, o importante papel atribuído à família Roerich na história russa serve a um objetivo específico – justificar o status especial de Nicholas Roerich: ele surgiu de uma importante família histórica e deve cumprir uma missão tão importante quanto a de seus ancestrais na história. Portanto, a lenda do século XXI foi complementada com um elemento novo e muito importante: agora, a natureza aristocrática e a importância dos ancestrais de Helena Roerich na história da Velha Rússia também são mencionadas em paralelo com a enunciação sobre a família de Nicholas Roerich. A continuação de tal lenda é bastante esperada: na primeira metade do século 21, a pessoa mais visível no Agni Yoga foi Nicholas Roerich, que incluiu ideias teosóficas nas imagens em sua arte e trabalhou nas questões organizacionais do movimento. Considerando que, após a morte de Roerich, os membros do movimento começaram a reconhecer cada vez mais a importante contribuição de Helena Roerich: ela foi especificamente quem escreveu os livros Agni Yoga ou Ética Viva. Ao enaltecer as realizações da família Roerich, a contribuição de Helena Roerich está sendo cada vez mais destacada hoje, e as imagens de estilo do ícone dedicadas a ela já foram criadas em alguns grupos.

DOUTRINAS / CRENÇAS

Os Roerichs posicionaram sua versão da Teosofia como ioga. Helena Roerich foi introduzida no mundo do yoga através da literatura do ocultista americano William Walker Atkinson (1862-1932), conhecido como Ramacharaka. Mais tarde, sua atitude em relação às obras de Atkinson mudou e, promovendo seu sistema de Teosofia, os Roerichs o justapõem a um dos proponentes proeminentes do movimento do Novo Pensamento, Atkinson. Convencidos por suas leituras de textos religiosos de várias tradições de que o símbolo do fogo é comum a todos os sistemas religiosos do mundo, os Roerichs chegaram à conclusão de que em várias religiões a mesma divindade é cultuada manifestada pelo humano no fogo (“agni” em sânscrito). No entendimento dos Roerichs, o fogo deveria ser considerado como energia e, eventualmente, a energia tornou-se a noção-chave de seu novo sistema teosófico. Embora possa parecer que ao escolher o rótulo de Agni Yoga os Roerichs foram bastante inovadores, eles eram na verdade seguidores devotos de Blavatsky. Helena Roerich se referiu a Blavatsky quando afirmou que “a divindade é um fogo arcano, vivo (ou em movimento)” (Roerich, 1954:489).

Como na Teosofia de Blavatsky, um dos principais elementos constitutivos do ensinamento de Roerich é a crença em Mahatmas ou sábios mestres do Himalaia. O ensino de Roerich desenvolveu-se especificamente sob a influência da doutrina de Blavatsky, e não são apenas as idéias básicas, mas também os detalhes de Roerich e Blavatsky que são idênticos. Respectivamente, ao adotar os conceitos de Mahatmas de Blavatsky, os Roerichs até tomaram emprestado seu esquema de manifestação: tanto Helena Roerich quanto Helena Blavatsky tiveram visões experimentadas, mesmo desde a infância (Supermundano 1938:36) e realizou certos fenômenos (Roerich 1974:224); ambos tinham um e os mesmos Mestres espirituais, e ambas as Helenas haviam se encontrado com os mesmos Mestres em um e nos mesmos lugares (Roerich 1998:312; Roerich 1998:365-66).

Após a morte do Blavatsky, Nicholas Roerich e sua esposa Helena Roerich afirmaram ser os canais de uma nova revelação e que possuíam poderes sobrenaturais: Mahatmas haviam demonstrado “as fórmulas para a energia atômica” (Supermundano 1938:18) para Helena Roerich. Ela tinha a capacidade de sentir “o magnetismo dos objetos” (Supermundano 1938:143), para prever catástrofes naturais e pontos de virada na história (Supermundano 1938:117, 173, 163). Ela poderia curar e influenciar a evolução humana (Roerich 1974:244; Supermundano 1938:186). As pinturas de Roerich também tinham a capacidade de curar (Roerich 1954:167-68).

Os Roerichs deram ao Himalaia um significado sagrado, pois os Mahatmas viviam em algum lugar secreto no Himalaia, de onde estavam cuidando da evolução da Terra. Foi precisamente devido a esta convicção que as montanhas, que simbolizavam o mundo espiritual separado do mundo quotidiano, mas que ainda é alcançável por aqueles que lutam por uma Realidade Superior, dominam nas pinturas de Roerich. Ao responder aos críticos que viajaram pela Índia e pelo Himalaia, e disseram que não haviam notado Mahatmas em nenhum lugar, os Roerichs se envolveram em disputas sobre a existência de Mahatmas e sustentaram, em primeiro lugar, que no folclore de todos os povos, elementos poderiam ser encontrados que fornecem evidências sobre Mahatmas; em segundo lugar, os professores não requerem uma presença física (Roerich 1954:367), pois existem em corpos astrais.

O papel que Roerich atribuiu à esposa na garantia da evolução da humanidade estava intimamente associado à ideia sobre a missão especial da mulher no processo de evolução. Ele enfatizou que em cada ciclo de evolução, o que é criticamente necessário para a evolução da humanidade é dado a conhecer por um Mestre, que assume a responsabilidade por um certo ciclo de evolução. Os Roerichs sustentavam que a espiritualidade do século XX havia caído a um nível tão baixo que, com a energia do fogo se aproximando da Terra, havia a necessidade de alguém que pudesse transformar as energias cósmicas superiores de uma maneira que a humanidade pudesse recebê-las. Isso foi alcançado por Helena Roerich, que desta forma salvou o mundo (Infinity 1956:186). Consciente de que o novo sistema teosófico requer algum símbolo unificador, o pintor ofereceu a imagem da Mãe do Mundo, que reproduzia com frequência em suas pinturas, e que pode ser considerada ícones teosóficos.

RITUAIS / PRÁTICAS

Embora o nome do movimento seja Agni Yoga, os seguidores de Roerich não praticam nenhum tipo novo de yoga, pois os Roerichs não desenvolveram um método sistematizado de como seu yoga deveria ser praticado. Das referências esparsas fornecidas nos livros de Agni Yoga, podemos concluir que três estágios foram previstos no yoga dos Roerichs: purificação, ampliação da consciência e transmutação ígnea (Stasulane 2017a).

Embora os seguidores de Roerich se autodenominem adoradores da cultura e dêem muito espaço para atividades culturais em suas ações, seu movimento é caracterizado pelo comportamento ritualizado. [Imagem à direita] Conforme descoberto no trabalho de campo realizado no Departamento Letão do Centro Internacional dos Roerichs, o comportamento ritualizado é centrado em três atributos básicos: a Bandeira da Paz, fogo e flores.

O atributo mais importante é a Bandeira da Paz desenhada pelo próprio Nicholas Roerich. Destina-se a representar a proteção das conquistas culturais da humanidade, assim como a cruz vermelha representa a proteção da vida humana (Roerich 193:192). O desenho da Bandeira da Paz é geralmente interpretado como simbolizando religião, arte e ciência englobados pelo círculo da cultura, ou como passado, presente e realizações futuras da humanidade, protegidas dentro do círculo da eternidade. No entanto, contém um significado esotérico: as três esferas vermelhas dentro de uma área branca, cercadas por um círculo vermelho, são um símbolo dos Mahatmas (Stasulane 2013:208-09). [Imagem à direita]

O fogo é outro atributo ritual dos seguidores de Roerich. As velas são colocadas fora do local do evento, por exemplo, no pátio, na escada, bem como dentro do local. Nicholas Roerich estabeleceu que a maioria, se não todas, as religiões adoram a mesma divindade revelada no fogo (Roerich 193:232). Não é de surpreender que os Roerichs preferissem chamar seu próprio sistema de teosofia agni-yoga ou Yoga de fogo.

O terceiro atributo, flores, está fortemente relacionado ao comportamento ritualizado. Ao realizar pesquisas de campo ao longo dos anos, houve a oportunidade de observar o desenvolvimento dinâmico do comportamento ritualizado: homenagear os fundadores do movimento com flores tornou-se regular, mas durante o último evento com os seguidores de Roerich, ficou claro que o a colocação de flores estava se transformando em uma ação ritualizada.

ORGANIZAÇÃO / LIDERANÇA

Atualmente, os seguidores de Roerich formam uma rede de grupos teosóficos, que inclui quase toda a Europa e América do Norte, além de vários países sul-americanos e asiáticos. Após o colapso do regime comunista, Moscou, onde funciona o Centro Internacional dos Roerichs (ICR), desempenha um papel especial e concorre com sucesso com o centro mais antigo do movimento em Nova York (EUA). Os desentendimentos entre os centros de Moscou e Nova York surgiram, primeiramente, pela questão dos direitos sobre o legado literário deixado pelos Roerich. Como o filho mais novo de Roerich, Svyatoslav Roerich (1904-1993), entregou o arquivo de seus pais à Fundação Soviética dos Roerich em 1990, o grupo de Moscou sustenta que os direitos de publicação das obras de Roerich pertencem apenas a eles.

Apesar de sua orientação geopolítica variável, todos os grupos de seguidores de Roerich são caracterizados, em primeiro lugar, por uma forte crença nas mensagens que Roerich recebeu dos Mahatmas; em segundo lugar, a iconografia compartilhada. As pinturas de Nicholas Roerich, nas quais o artista também entrelaçou detalhes das visões de sua esposa, criando assim um novo sistema teosófico de símbolos. Além disso, os grupos de seguidores de Roerich se consolidaram mal organizacionalmente. Por exemplo, na Letônia, existem três grupos de seguidores de Roerich: a Letônia Roerich Society, o departamento letão do Centro Internacional dos Roerichs e o grupo Aivars Garda ou Frente Nacional da Letônia. Cada um desses grupos atua em sua própria área: os eventos culturais são a principal forma de atividade da Letônia Roerich Society e a palavra-chave “cultura” domina em suas comunicações sociais, pois os Roerichs explicaram o conceito de cultura como um culto da luz ou, mais precisamente, como adoração do fogo criador (Hierarquia 1977:100). O departamento letão do Centro Internacional dos Roerichs conseguiu ganhar influência no sistema educacional letão. Populariza com sucesso a gumannaja pedagogika (pedagogia/educação humana) desenvolvida por Shalva Amonashvili, que se baseia nos ensinamentos de Roerich. Os alunos são incentivados a adquirir a herança cultural de Roerich, por exemplo, redesenhando suas pinturas. As atividades do grupo Aivars Garda, ou Frente Nacional da Letônia, se estendem à política (Stasulane 2017b). Divisões semelhantes também podem ser observadas em outros países. Embora os grupos teosóficos sejam pouco consolidados, eles são socialmente influentes, pois cada um deles cobre sua própria área, garantindo assim uma presença bastante densa de ideias teosóficas na sociedade contemporânea.

PROBLEMAS / DESAFIOS

Embora todos os grupos de seguidores de Roerich geralmente se apresentem como organizações culturais, suas atividades também incluem um acento político, que pode ser visto não como uma expressão marginal da Teosofia, mas sim como a tradição do fundador do movimento de aspirações políticas de base histórica. A abertura dos arquivos secretos da URSS e a publicação de vários diários e cartas teosofistas, que antes eram inacessíveis, fornecem evidências surpreendentes da geopolítica espiritual de Roerich (McCannon 2002:166). Pesquisas recentes sobre a história do movimento Roerich revelam os objetivos políticos das expedições centro-asiáticas organizadas pelo artista (1925–1928; 1934–1935) (Росов 2002; Andreyev 2003; Andreyev 2014). Roerich tentou realizar o Grande Plano. O Plano era estabelecer o Novo País, que se estenderia do Tibete ao sul da Sibéria, incluindo territórios que eram governados pela China, Mongólia, Tibete e URSS. Este Novo País foi planejado como o reino de Shambhala na Terra. Grande significado foi destinado aos Altai no reino planejado de Nicholas Roerich, onde, segundo ele, o maravilhoso Belovodie (a Terra das Águas Brancas) poderia ser encontrado. Isso é anunciado no folclore russo, bem como nos ensinamentos de vários novos movimentos religiosos.

Nicholas Roerich tentou obter o apoio de vários países, incluindo o apoio político da Rússia soviética, para criar este novo império no leste. Roerich reuniu-se várias vezes no Ocidente com representantes da Rússia soviética para obter o apoio do regime soviético para a criação do Novo País (Adreyev 2003:296-67) e, em 1926, chegou a Moscou com uma carta dos Mahatmas e uma pintura na qual o Buda Maitreya foi retratado de uma forma que se assemelhava a Lenin. Na carta que foi entregue a Moscou, os Mahatmas encorajavam a disseminação do comunismo pelo mundo, o que seria um passo adiante no processo de evolução (Росов 2002:180). Na década de 1930, quando as repressões de Stalin começaram na Rússia (incluindo repressões contra os seguidores de Roerich) e quando o regime soviético mudou sua política no Extremo Oriente (Andreyev 2003), Roerich se convenceu de que os bolcheviques não forneceriam o apoio esperado para o Grande Plano e recomeçou a buscar apoio dos EUA

Pode parecer que os planos para fundar o Novo País tenham passado junto com Nicholas Roerich, mas essa ideia ainda é atual nos grupos contemporâneos de Roerich. Os seguidores de Roerich viajam regularmente para o Altai e estão bem informados sobre as aspirações políticas de Nicholas Roerich, mas o tratam como um político excepcional cuja previsão foi fundamentada em sua visão profética. Cada vez mais novas pesquisas acadêmicas estão surgindo sobre como o esoterismo político está sendo expresso na Rússia contemporânea, mas em que os teosofistas se opõem às críticas expressas, espiritualizando os objetivos políticos de Roerich.

O Centro Internacional dos Roerichs está se esforçando para introduzir o “pensamento cósmico” na ciência através da chamada filosofia da realidade cósmica que geralmente é explicada da seguinte forma: no decorrer do século XX, o pensamento cósmico apareceu como um forma de pensar marcada pela síntese da experiência científica, filosófica e religiosa da humanidade revelando novas oportunidades para diversos meios de cognição, inclusive os extracientíficos.

A inclusão da ontologia teosófica e da cosmogonia na ciência contemporânea é o projeto do United Scientific Center of Cosmic Thinking, formado em 2004 sob a égide do International Center of the Roerichs, que é responsável pela cooperação com a Academia Russa de Ciências, o K A Academia Russa de Cosmonáutica Tsiolkovsky, a Academia Russa de Educação e a Academia Russa de Ciências Naturais. Os físicos russos mais ativos que participaram do movimento Roerich foram os estudiosos que investigavam os chamados campos de torção, Anatoliy Akimov (1938-2007) e Gennadiy Shipov (n. 1938), que na década de 1990 fizeram palestras ao redor da URSS em colapso. Os pesquisadores que aceitaram o “pensamento cósmico” promovem com sucesso os ensinamentos dos Roerich e argumentam que os recentes desenvolvimentos da ciência contemporânea comprovam a veracidade da Ética Viva.

IMAGENS

Imagem #1: Nicholas Roerich, fundador do Agni Yoga (1847-1947). Acessado de https://www.roerich.org/museum-archive-photographs.php.
Imagem #2: Helena Roerich. Acesse de http://www.ecostudio.ru/eng/index.php.
Imagem #3: Exposição dedicada a Nicholas Roerich na Academia Internacional do Báltico em Riga, Letônia. (2009). Foto: Anita Stasulane.
Imagem #4: Um espaço sagrado criado por seguidores de Roerich em um evento na Biblioteca Acadêmica da Letônia (2009). Foto: Anita Stasulane.
Imagem #5: Nicholas Roerich. Madona Oriflamma. (1932) Acessado de https://www.roerich.org/museum-paintings-catalogue.php.

REFERÊNCIAS

Andreyev, Alexandre. 2014. O Mito dos Mestres Revivido: As Vidas Ocultas de Nikolai e Elena Roerich. Leiden e Boston: Brill.

Andreyev, Alexandre. 2003. Rússia Soviética e Tibete: O Debacle da Diplomacia Secreta, 1918-1930. Leiden e Boston: Brill.

Беликов, П.Ф., Князева, В. П. 1973. Roerich, Москва: Молодая гвардия.

DETER, Jaqueline. 1989. Nicholas Roerich: A vida e a arte de um mestre russo. Rochester, VT: Park Street Press.

Duvernois, J. 1933. Roerich: Fragmentos de uma biografia. New York.

Hierarquia. 1977. Nova York: Agni Yoga Society.

Infinity. 1956. Volume 1. Nova York: Agni Yoga Society.

Короткина, Л. В. 1985. Рерих в Петербурге – Петрограде. Ленинград: Лениздат.

Мантель, A. Í. К. Рерих. 1912. Казань: Издательство книг по искусству.

Melton, Gordon J. 1988. A Enciclopédia das Religiões Americanas. Detroit: Gale.

McCannon, John. 2002. "Pelas margens de águas brancas: O Altai e seu lugar na geopolítica espiritual de Nicholas Roerich." Sybirica 2: 166-89.

Ремизов, A. 1916. Жерлица Дружинная. Acessado de https://www.roerich.org/museum-paintings-catalogue.php em julho 8, 2021.

Полякова, Ε. И. 1985. Nicholas Roerich. Москва: Искусство.

Рерих Е. И. 2011. Cartas. Том 1. Москва: МЦР.

Рерих, Н. 1990. Зажигайте сердца, Москва: Молодая Гвардия.

Рерих, Н. 1931. Держава света. Southbury: Alatas.

Rēriha, Helena. 1998. Vēstules. 1. Sej. Riga: Vieda.

Rērihs, Nikolajs. 1998. Altajs - Himalaia: Ceļojumu dienasgrāesteira. Riga: Vieda.

Ростиславов, А. 1916. Í. К. Рерих, Петроград: Бутковский, 1916.

Roerich, Nicolau. 1985. Shambala. Nova York: Museu Nicholas Roerich.

Roerich, Nicolau. 1974. Invencível. Nova York: Museu Nicholas Roerich.

Roerich, Nicolau. 1933. Fortaleza de Fogo. Boston: The Stratford Company.

Roerich, Nicolau. 1924. “Estrela da Manhã”. O Teosofista. Outubro: 97–105.

ROERIC, Helena. 1967. Cartas de Helena Roerich 1929-1938. Volume 2. Nova York: Agni Yoga Society.

ROERIC, Helena. 1954. Cartas de Helena Roerich 1929-1938. Volume 1. Nova York: Agni Yoga Society.

Росов, А. В. 2002. Николай Рерих: Вестник Звенигорода. Экспедиции Н. К. Рериха по окраинам пустыни Гоби. Санкт-Петербург: Ариаварта-Пресс.

Silars, Ivars. 2005. “Rērihi Kurzemē: Leģendas un arhīvu dokumenti.” Latvijas Arhīvi 2: 61-80.

Stasulano, Anitta. 2017a. “Interpretação do Yoga à Luz do Esoterismo Ocidental: O Caso dos Roerichs”. Espiritualidade Alternativa e Revisão Religiosa 8: 107-21.

Stasulano, Anitta. 2017b. “Líderes femininas em um movimento de direita radical: a Frente Nacional da Letônia.” Gênero e Educação 29: 182-98.

Stasulano, Anitta. 2013. “Teosofia dos Roerichs: Agni Yoga ou Ética Viva”. pág. 193-216 em Manual da Corrente Teosófica, editado por Olav Hammer e Michael Rothstein. Leiden e Boston: Brill.

Supermundano: A Vida Interior. Livro Um. 1938. Nova York: Agni Yoga Society.

PAELIAN, Garabed. 1974. Nicholas Roerich. Sedona, AZ: Aquarian Educational Group.

Data de publicação
3 2022 fevereiro

 

Compartilhe