David G. Bromley Alexis Liverman

Missionários de Caridade

MISSIONÁRIOS DA LINHA DA CARIDADE

1910 (26 de agosto): Agnes Gonxha Bojaxhiu nasceu em Skopje, Macedônia.

1919: Nikola Bojaxhui, pai de Agnes Gonxha, morreu em circunstâncias suspeitas.

1928: Bojaxhiu juntou-se às Irmãs Loreto de Dublin.

1929: Gonxha inicia seu noviciado em Darjeeling, Índia. Ela também começou a lecionar na St. Mary's High School em Calcutá.

1931: Gonxha emite os primeiros votos, e o nome de “Teresa”, para a padroeira dos missionários.

1937: Gonxha, agora Maria Teresa, faz seus votos finais de pobreza, castidade e obediência e também recebe o nome de “Mãe”.

1946 (10 de setembro): Madre Teresa recebeu um chamado de Deus para trabalhar com os “mais pobres dos pobres”.

1948: Madre Teresa tornou-se cidadã da Índia e passou por um breve mas crucial treinamento médico para continuar seu trabalho.

1950: Madre Teresa recebeu permissão do Vaticano para estabelecer uma nova ordem religiosa, as Missionárias da Caridade.

1953: Os primeiros noviciados das Missionárias da Caridade emitem os primeiros votos.

1963: Os Missionários da Caridade Irmãos foram estabelecidos.

1965: Madre Teresa recebeu o decreto de louvor do Papa João Paulo VI.

1969: Os Co-Workers tornaram-se oficialmente afiliados aos Missionários da Caridade.

1979: Madre Teresa recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

1983: Madre Teresa sofreu seu primeiro ataque cardíaco, em Roma.

1989: Depois que Madre Teresa sofreu um segundo ataque cardíaco, um marca-passo foi implantado.

1997 (5 de setembro): Madre Teresa morreu após um terceiro ataque cardíaco, desta vez em Calcutá, Índia. Irmã Nirmala foi eleita para suceder Madre Teresa.

2009: Irmã Mary Prema sucedeu Irmã Mirmala como chefe das Missionárias da Caridade.

HISTÓRICO FUNDADOR / GRUPO

Madre Teresa nasceu Agnes Gonxha Bojaxhiu, agosto 26, 1910, em Skopje, Macedônia, no que fazia parte do Império Otomano. No dia seguinte ao seu nascimento, quando ela foi batizada na fé católica romana, tornou-se o dia em que mais tarde ela veio a reconhecer como seu verdadeiro aniversário. Seu pai, Nikola, que era um albanês, um político local e defensor da independência albanesa, morreu inesperadamente quando Agnes tinha oito anos, possivelmente resultado de envenenamento por motivação política. Sua mãe, Drana, que é descrita como uma mulher compassiva e generosa, apesar da pobreza de sua própria família, dedicou-se a criar seus filhos como devotas católicas romanas. Ela enfatizou a lição de que sempre se deve ajudar os outros antes de se ajudarem (Greene 2008: 6).

Agnes tinha doze anos quando, em uma peregrinação anual à Capela da Madona Negra, ela relata ter sentido um “chamado” para viva sua vida por Deus e serviço aos outros. Depois de uma infância e adolescência dedicada às atividades da igreja, incluindo cantar, tocar bandolim, participar de um grupo de jovens, bem como ensinar o catecismo aos membros mais jovens, em 1928, aos dezoito anos, Agnes deixou sua casa para se juntar ao Loreto. Irmãs de Dublin. Ela viajou pela primeira vez para a França para ser entrevistada e, quando encontrada adequada, foi enviada para a Irlanda, onde aprendeu inglês e adotou o nome de “Maria Teresa” para Santa Teresa de Lisieux, a santa padroeira das missões (Greene 2008: 17-18 ). Em 1929, durante seu período de noviciado, foi enviada a Calcutá, na Índia, para lecionar na St. Mary's High School for Girls. Durante seu tempo como novata, ela aprendeu bengali e hindi, ensinou geografia e história, e fez seus votos iniciais no 1931. Quando ela fez seus votos finais de pobreza, castidade e obediência em 1937, ela também levou o nome de "Mãe", para preceder Teresa, como é o costume na ordem das Irmãs de Loreto.

Madre Teresa continuou a lecionar na Escola Secundária St. Mary para Meninas até que ela se tornou diretora da 1944. Sua experiência na escola deu-lhe uma perspectiva vívida e pessoal sobre a pobreza ao seu redor, e em 1946 em um trem de Calcutá para Darjeeling, ela recebeu uma chamada dentro de uma chamada de Cristo, que lhe disse para deixar a escola e trabalhar com os “mais pobres dos pobres”, os destituídos, desesperados e sozinhos. De acordo com seu relato da experiência, Deus disse a ela que ela era tão indigna quanto qualquer outra, e precisava de uma mulher como ela para ajudar os desamparados e sem esperança. À luz de seu voto de obediência a Deus e à Igreja Católica Romana, Madre Teresa foi incapaz de assumir esse chamado até que foi aprovada pelo Vaticano quase dois anos depois (Van Biema 2007). Ela então se tornou uma cidadã indiana para poder receber algum treinamento médico em Calcutá. Alguns meses depois, Madre Teresa vivia e trabalhava com os necessitados.

Por 1950, depois de trabalhar nas favelas de Calcutá, estabelecendo uma escola ao ar livre para crianças, auxiliando na educação de empobrecidos adultos e abrindo um lar para os moribundos, Madre Teresa havia recebido apoio financeiro e comunitário local. Ela obteve permissão do Vaticano para iniciar sua própria ordem com doze outras mulheres que eram ex-alunas ou professoras na Escola Secundária de Meninas de St. Mary em Calcutá. Eles vieram a ser chamados de "Missionários da Caridade" e eram conhecidos por fazerem o quarto voto. Depois de votos de pobreza, castidade e obediência, as irmãs desta nova ordem também prometeram “dar serviço de todo coração e de graça aos mais pobres dos pobres” (Greene 2008: 48). O Papa João Paulo VI concedeu às Missionárias da Caridade o Decreto de Louvor em 1965, que permitiu que a ordem se expandisse internacionalmente. Com a ajuda de leigos organizados e fiéis leigos, chamados Cooperadores, Missionários da Caridade abriram em Hospitais 600, escolas, serviços de aconselhamento, instalações de assistência médica, abrigos para sem-teto, orfanatos e programas para alcoolismo e dependência em mais de países 120. 1997. Os missionários conseguiram chegar a países em seis dos sete continentes com sua ajuda.

Depois de várias hospitalizações e problemas cardíacos durante seus últimos dez anos, Madre Teresa sofreu um ataque cardíaco e morreu em Calcutá em 5 de setembro de 1997 como resultado de complicações cardíacas, renais e pulmonares. Irmã Nirmala foi eleita para suceder Madre Teresa e serviu como chefe das Missionárias da Caridade até 2009, quando Irmã Mary Prema assumiu a liderança das Missionárias. Os sucessores de Madre Teresa continuam a afirmar-se como a missão dos Missionários, fornecendo socorro gratuito aos mais necessitados (Greene 2008: 139).

DOUTRINAS / CRENÇAS

Como uma ordem da Igreja Católica Romana, as Missionárias da Caridade seguem as doutrinas e crenças da Igreja. Como muitas outras ordens católicas, as Missionárias da Caridade acreditam na autodisciplina e no sacrifício, na renúncia ao mundo exterior e na antiguidade do Papa (Johnson 2011a: 58-84). Além da doutrina e das doutrinas católicas romanas genéricas de outras Para renunciar as ordens, as Missionárias da Caridade fazem o quarto voto de servir de todo o coração aos mais pobres dos pobres. Não é o objetivo das Missionárias da Caridade corrigir o que podem ver como males sociais, mas trabalhar com aqueles que sofrem com esses males, e experimentar o amor de Deus através do serviço e de sua própria pobreza (Greene 2008: 54 -55). Os rituais e tradições cotidianas das Missionárias da Caridade são muitos, planejados para assegurar que nenhum tempo seja gasto na frivolidade. Os missionários também acreditam que devem evitar a tentação quando estão no mundo; Para fazer isso, espera-se que as Irmãs mantenham a “custódia dos sentidos” ou evitem ver, ouvir ou tocar em algo desnecessário (Johnson 2011a, 2011b).

RITUAIS / PRÁTICAS

Como a Igreja Católica Romana na qual Madre Teresa foi criada, As Missionárias da Caridade seguem os rituais centrais que distinguem o catolicismo de outras crenças cristãs, bem como suas próprias tradições que se distinguem da abrangente fé católica romana. As quatro tradições mais centrais para a Igreja Católica são a celebração da Eucaristia, as orações do Rosário, a Confissão e a Absolvição.

A Eucaristia, ou Santa Comunhão, é celebrada durante cada missa católica. Pão (ou bolacha) e vinho são usados ​​para representar o corpo e o sangue de Cristo e apresentados ao clero, àqueles que de outra forma se devotaram à Igreja, e depois aos leigos que foram confirmados dentro da Igreja Católica. Acredita-se que durante este tempo de comunhão ocorre a transubstanciação, uma mudança do pão e do vinho para o verdadeiro corpo e sangue de Cristo. Esta tradição é uma recriação da Última Ceia bíblica de Cristo com seus discípulos.

As contas do Rosário são usadas para oração. Cada conta distingue-se pelo agrupamento repetitivo para representar orações específicas, Pai Nosso, Ave Maria ou Glória. Esta repetição de oração, facilitada pelo padrão do Rosário, é usada para oração e meditação sobre os Mistérios de Cristo, bem como para a penitência, como recomendado após a confissão.

O Sacramento da Reconciliação, ou Confissão, é um tempo durante o qual o clero, aqueles que deram suas vidas à igreja, e os leigos, ou os penitentes, têm a chance de confessar seus pecados individualmente a um padre. Depois que o penitente confessa e expressa tristeza por seus pecados, o padre pode oferecer um ato de contrição, que pode incluir a oração do rosário ou de outro ato para beneficiar a comunidade ou tentar prejudicar o que foi feito. Depois que a confissão é ouvida, o sacerdote oferece Absolvição ou libera o penitente da culpa de seu pecado. Entre muitos outros rituais e tradições diárias, as Missionárias da Caridade rezam o Ato de Contrição todas as noites.

Outros rituais distintos do resto da Igreja Católica são duas celebrações - Festa da Sociedade e Dia da Inspiração. A Festa da Sociedade, realizada no mês de agosto 22 de cada ano, é uma celebração do Imaculado Coração de Maria, sua padroeira. O Dia da Inspiração, comemorado anualmente em setembro 10, é o aniversário do dia em que Madre Teresa recebeu seu chamado para trabalhar de todo coração com os mais pobres dos pobres. Outra tradição anual é um retiro de oito dias. Além do descanso silencioso e da renovação, o retiro é supervisionado por um padre que oferece palestras diárias e confissões gerais (Johnson 2011a, 2011b).

Chapter of Faults é uma prática mensal durante a qual os Missionários da Caridade se reúnem para confessar e pedir perdão por quaisquer falhas que tenham cometido ao longo do mês. Cada irmã se ajoelha, uma a uma, beija o chão, confessa seus defeitos e beija o chão novamente. Outra tradição observada mensalmente é conhecida como “renovação de permissão”. Cada irmã se ajoelha em particular diante de seu superior, beija o chão, confessa seus defeitos e pede permissão para o uso de bens materiais. Além do Capítulo das Faltas, as Irmãs também realizam penitência pública por seus pecados. Isso pode incluir pedir uma refeição, em seguida, comê-la ajoelhada, tocando a testa nos pés de cada irmã, beijando os passos de suas irmãs ou recitando os Paters. Uma vez por semana, as Irmãs observam um “dia em”, um tempo para descanso e reunião comunitária. Durante este dia, na reunião, as reflexões, o trabalho apostólico e as instruções do superior são compartilhadas dentro da comunidade. Uma vez por mês, um dia é dedicado a um dia de recolhimento silencioso.

Na penitência corporal diária, as Irmãs usam correntes com cravos em torno de suas cinturas e braços por pelo menos uma hora. As Irmãs também se envolvem na leitura espiritual de livros aprovados pelos superiores da Ordem, individualmente ou em comunidade, enquanto outros trabalham. Caso contrário, as Irmãs trabalham e vivem em silêncio, exceto durante as refeições e um breve período de recreação. Isso serve para permitir que cada irmã comungue com Deus. As Missionárias da Caridade fazem seus próprios rosários e oram diariamente, mesmo quando andam pelas ruas ou participam das tarefas diárias.

Todas as manhãs e noites o superior abençoa cada Irmã colocando as mãos em cada uma de suas cabeças e dizendo “Deus te abençoe em azul par sari”. Depois de acordar todas as manhãs, as Irmãs dedicam uma hora à Oração da Manhã, que inclui orações. recitado vocalmente de um livro específico da Ordem. As Irmãs também praticam a meditação, inspirada por Santo Inácio, durante a qual se visualizam em uma cena do Evangelho. Essa meditação, precedida por uma breve oração de inspiração, dura cerca de meia hora. Depois da meditação, as irmãs recitam, vocalmente, uma oração à Virgem Maria e, depois, à oração de Santo Inácio, chamada de Suscipe. Antes de cada refeição, as Irmãs recitam a Graça como comunidade, e três vezes ao dia, em forma de chamada e resposta, junto com o toque de um sino, recitam Angelus, uma oração tradicional em lembrança da troca entre o anjo Gabriel e o anjo. Virgem Maria. Ao longo do dia, as Irmãs recitam partes do Pequeno Ofício da Imaculada Conceição, louvando Maria. Uma hora todos os dias é gasta em adoração e custódia antes da Eucaristia, e orações são ditas antes e depois da Comunhão.

Assim como sua forma de meditação é modelada segundo a de Santo Inácio, as Irmãs também emprestam de sua tradição em um exame da consciência ou do exame. Duas vezes por dia, as Irmãs visitam a capela para refletir em silêncio sobre o tempo gasto desde o último exame, e então refletem sobre uma virtude específica para praticar ou evitar que a Irmã tenha escolhido como foco por meses ou anos. O primeiro exame do dia da consciência é uma parte da Oração do Meio-dia, durante a qual as Irmãs se reúnem na Capela e rezam juntas antes ou depois do almoço. À noite, as irmãs reconhecem um tempo chamado Vésperas. Esta Oração da Noite faz parte da Liturgia das Horas, incluindo salmos e o Magnificat. As Irmãs revisitam a capela depois do jantar para rezar, e há uma oração noturna durante a qual o exame individual acontece novamente, e as Irmãs participam de orações vocais. As Irmãs recitam os Paters antes de se deitarem, o que inclui o Ato de Contrição, Nossos Pais, Ave Maria e Glória. Finalmente, as Irmãs terminam suas noites em Grand Silence, que não termina até a missa da manhã seguinte (Johnson 2011a, 2011b).

ORGANIZAÇÃO / LIDERANÇA

As Missionárias da Caridade começaram com doze membros. Em 1963, um correspondente
Grupo das Irmãs Missionárias dos Irmãos da Caridade. Três anos depois Ian Travers-Ball (Irmão Andrew), um padre jesuíta da Austrália, assumiu a liderança dos Irmãos e liderou o grupo pelos primeiros vinte anos de sua história. Os ramos contemplativos das Missionárias da Caridade, irmãs e irmãos, foram estabelecidos em 1976 e 1979, respectivamente, e são dedicados à oração, penitência e serviço. A rotina diária nos ramos contemplativos envolve um tempo substancial dedicado à oração, leitura espiritual e silêncio. O Movimento dos Sacerdotes de Corpus Christi foi formado em 1981, após manifestações de interesse de vários sacerdotes. Finalmente, em 1984, Madre Teresa foi uma das fundadoras dos Missionários da Caridade com o Frei Joseph Langford. Outras organizações filiadas às Missionárias da Caridade incluem Os Colaboradores de Madre Teresa, Os Colaboradores Doentes e Sofredores, e As Missionárias Leigas da Caridade (Greene 2008: 140).

Como “fundadora” das Missionárias da Caridade, Madre Teresa foi Superiora Geral até pouco antes de sua morte. O Superior Geral é eleito pelo Capítulo Geral, que inclui membros eleitos e nomeados. A cada seis anos, o Capítulo Geral reúne-se para revisar e avaliar o trabalho dos missionários. Os membros indicados do Capítulo Geral incluem o Superior Geral, os Ex-Superiores Gerais, os Conselheiros Gerais e os Superiores Regionais. Os membros eleitos incluem representantes de todas as regiões cobertas e representantes das irmãs encarregadas da formação (Johnson 2011a, 2011b). Espera-se que as irmãs respeitem as decisões de seus superiores como resultado da oração e, portanto, essas decisões são vistas como a palavra de Deus. O Superior Geral supervisiona as Missionárias Ativas e Contemplativas da Caridade, católicos romanos que não apenas fazem votos de pobreza, castidade e obediência, mas também “serviço sincero e gratuito aos mais pobres dos pobres”. Os três ramos restantes têm sua própria hierarquia. e superiores gerais.

Para se tornar uma Irmã das Missionárias da Caridade, os primeiros seis meses são gastos na aspiração, tanto trabalhando quanto estudando para promover seu compromisso e compreensão da ordem. Após o período de aspiração, há um ano de postulantado, que inclui também o trabalho e o estudo e, pela primeira vez, o uso de um sari branco. O ano do postulantado é seguido por dois anos como noviciado, o primeiro incluindo dias completos de oração e estudo e o segundo incluindo trabalho e estudo. O período final do noviciado dura seis anos, durante os quais o noviciado toma votos temporários de castidade, pobreza, obediência e serviço sincero e gratuito aos mais pobres. O noviciado começa a usar um sari branco com uma borda azul. O noviciado trabalha nas missões, é chamado de irmã júnior e faz seus votos anualmente. No sexto ano, o noviciado usa um sári azul e faz seus votos finais (Johnson 2011a, 2011b).

Na época da morte de Madre Teresa em 2007, as Missionárias da Caridade haviam crescido para cinco mil irmãs, quase quinhentos irmãos e mais de 600 missões, organizações de caridade, abrigos e escolas em mais de 120 países.

PROBLEMAS / DESAFIOS

As Missionárias da Caridade, e Madre Teresa pessoalmente, receberam tanto adulação quanto críticas. As críticas às Madres da Caridade e à Madre Teresa incluem a revelação de seu longo período de perda de fé, mesmo enquanto ela se apresentava fazendo a obra de Deus, alegações de aceitar doações de fontes de má reputação e acumular fundos maciços em contas bancárias da fundação em vez de gastar eles para ajudar os pobres. Apesar das várias críticas, Madre Teresa se tornou uma figura reverenciada por figuras mundiais e indivíduos comuns de todas as religiões ao redor do mundo.

A crise de fé de Madre Teresa se tornou pública como resultado de cartas pessoais, publicadas postumamente em 2003. Essa crise aparentemente começou em meados da década de 1940, quando ela estava trabalhando nas favelas de Calcutá e estabelecendo Missionárias da Caridade. De acordo com as cartas, essa crise de fé continuou pelo resto de sua vida, mesmo enquanto ela trabalhava em resposta ao seu "chamado dentro de um chamado". Madre Teresa comparou sua falta de fé, seu sentimento de abandono por Cristo, ao inferno. Às vezes, mesmo trabalhando em nome de Deus, ela relatava ter duvidado da existência dele. Embora Madre Teresa tenha pedido que as cartas contendo essas confissões fossem destruídas, seus confessores e superiores não honraram seu desejo, e elas foram publicadas em Madre Teresa: venha ser minha luz (Van Biema 2007). Em uma carta ao Rev. Michael Van Der Peet em setembro de 1979, ela afirmou que “Jesus tem um amor muito especial por você. Quanto a mim, o silêncio e o vazio são tão grandes que olho e não vejo, ouço e não ouço ”(Van Biema 2007). A possibilidade de que sua carreira pudesse ser interpretada como hipócrita não escapou dela, e ela descreveu seu meio século de trabalho sem fé como, de certa forma, "tortura"

Uma segunda controvérsia que se seguiu às Missionárias da Caridade são suas fontes de financiamento e o uso de contribuições de caridade. Madre Teresa teria recebido financiamento para suas causas de fontes de má reputação, incluindo a família Duvalier do Haiti e Charles Keating, a figura central no escândalo “The Keating Five”, que envolveu alegações de proteção ilícita de Keating por cinco Estados Unidos. Senadores dos Estados durante a crise de Poupança e Empréstimo da 1980. As Missionárias da Caridade também foram acusadas de permitir e ignorar condições miseráveis ​​para persistir em instalações apoiadas pela Charity, como hospícios e orfanatos, enquanto se recusam a fazer contas públicas de seus gastos de fundos para apoiar essas instalações (Hitchens 1995). Como um crítico relatou: “As doações rolaram e foram depositadas no banco, mas não tiveram efeito em nossas vidas ascéticas e muito pouco efeito na vida dos pobres que estávamos tentando ajudar” (Shields 1998). Outro crítico alegou que os lares para os moribundos das Missionárias da Caridade são conhecidos por carecerem de médicos para diagnosticar adequadamente as doenças dos pacientes, usando agulhas hipodérmicas previamente usadas ou insalubres, recusando-se a administrar analgésicos àqueles com dores excruciantes, e caso contrário, contaria com práticas médicas desatualizadas e perigosas (Fox 1994). Um voluntário disfarçado escreveu relatórios de tratamento abusivo de crianças; ele relata ter visto crianças amarradas, alimentadas à força e deixadas do lado de fora durante a noite durante as chuvas de monção (MacIntyre 2005). Além das críticas do pessoal médico e jornalistas investigativos, ex-cooperadores e ex-Irmãs das Missionárias da Caridade, incluindo Colette Livermore (2008), escreveram relatos semelhantes sobre o tratamento ruim do sofrimento que as Irmãs estavam ostensivamente comprometidas em ajudar . Segundo Fox (1994), as Missionárias da Caridade justificam o que parece ser a promoção do sofrimento dos necessitados, abandonados e aflitos, refletindo o ensinamento de Madre Teresa de que o sofrimento nos aproxima de Jesus. Ela supostamente equiparou o sofrimento do homem com o de Cristo e, portanto, um presente. Essa “teologia do sofrimento” causou a desilusão entre vários ex-cooperadores e irmãs (Livermore 2008) e causou ceticismo sobre o compromisso das organizações com o quarto voto de “serviço sincero e gratuito aos mais pobres dos pobres”. "

Uma controvérsia final foi se Madre Teresa merecia beatificação e canonização e se o processo estava sendo conduzido de forma justa e rigorosa ou sendo indevidamente promovido pelo Vaticano em resposta à enorme popularidade de Madre Teresa. Embora o Vaticano tradicionalmente não possa iniciar o processo de beatificação até cinco anos após a morte do candidato, o A Santa Sé, governada pelo papa João Paulo II, iniciou o processo no 1997. Ela foi beatificada em 2003, tornando-a conhecida pela comunidade católica como “Bendita” Madre Teresa. A Santa Sé também abandonou o processo de investigação contraditória, um processo para explorar criticamente seu extraordinário trabalho. Dois milagres, envolvendo a intercessão pessoal de Madre Teresa, também são necessários como parte do processo de consideração pela santidade. Atualmente, há apenas uma alegação de um milagre, feita por uma mulher bengali que sustenta que ela foi milagrosamente curada depois de segurar um medalhão com uma foto de Madre Teresa em seu abdômen. No entanto, esta alegação é contestada, pois tanto o marido da mulher como o médico assistente insistem em que os cistos da mulher foram curados após quase um ano de medicação e tratamento (Rohde 2003).

Embora existam aqueles que afirmam que o legado de serviço de Madre Teresa não é tão caridoso quanto seus defensores os vêem, é claro que através de seus esforços mundiais
e organizações, ela se tornou uma figura proeminente e muito amada na Índia, na comunidade católica e em todo o mundo. Em 1971, Madre Teresa recebeu o Prêmio Nobel da Paz por “trazer ajuda à humanidade sofredora”. Ela também recebeu honras como a Padma Shri da Índia e o Prêmio Jawajarlal Nehru por Entendimento Internacional, a Ordem do Mérito da Inglaterra, a Medalha de Ouro da Paz Soviética. Comitê, a Medalha de Ouro do Congresso dos Estados Unidos, juntamente com mais de uma centena de outros prêmios, incluindo títulos honorários de vários outros países e organizações por seus esforços com os Missionários da Caridade. Talvez o indicador mais impressionante de respeito generalizado por Madre Teresa seja o fato de ela ter ficado em primeiro lugar na lista das pessoas mais admiradas do século 1999 do 20 Gallup Poll, à frente de celebridades como Martin Luther King, Albert Einstein e Papa João Paulo II

REFERÊNCIAS

Raposa, Robin. 1994. “O cuidado de Madre Teresa com os moribundos.” O Lancet 344 (8925): 807.

Greene, Meg. 2008. Madre Teresa: uma biografia. Mumbai, Índia: Jaico Publishing House.

Hitchens, Christopher. 1995. A posição missionária. Londres: Verso.

Johnson, Mary. 2011a. Uma sede inextinguível: seguindo Madre Teresa em busca de amor, serviço e uma vida autêntica. Nova York: Spiegel e Grau.

Johnson, Mary. 2011b. “Mais sobre os MCs.” 2011. Acessado de http://www.maryjohnson.co/more-about-the-mcs/ em 10 2012 dezembro.

Livermore, Colette. 2008. "Podcast Think KERA: Deixando Madre Teresa, perdendo a fé e em busca de significado. ”15 Dezembro 2008. Acessado de http://www.podcast.com/I-451506.htm em 12 2012 dezembro.

MacIntyre, Donal. 2005. “A verdade esquálida por trás do legado de Madre Teresa” NewStatesman. 22 agosto 2005. Acessado de http://www.newstatesman.com/node/151370 em 12 2012 dezembro.

Rohde, David. 2003. "Seu legado: aceitação e dúvidas de um milagre." The New York Times. 20 outubro 2003. Acessado de http://www.nytimes.com/2003/10/20/world/her-legacy-acceptance-and-doubts-of-a-miracle.html em 15 2012 dezembro.

Sheilds, Susan. 1998. “Casa das Ilusões de Madre Teresa: Como ela prejudicou seus ajudantes e também aqueles que eles 'ajudaram' Revista de Inquérito Gratuita Acessado de http://www.secularhumanism.org/library/fi/shields_18_1.html no 10 dezembro 10 2012.

“Irmã Nirmala: o sucessor de Madre Teresa falece.” BBC, acessado de http://www.bbc.com/news/world-asia-india-33234989 No 10 julho 2015.

Van Biema, David. 2007. “Crise de fé de Madre Teresa” TEMPO, 23 agosto 2007. Acessado de http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1655720,00.html em 10 2012 dezembro.

Publicar Data:
3 de Janeiro de 2012

 

 

 

 

 

Compartilhe