Grace Yukich

Movimento do Trabalhador Católico

CRONOLOGIA DO MOVIMENTO DO TRABALHADOR CATÓLICO

1877: Peter Maurin nasceu em Oultet, França.

1897: Dorothy Day nasceu no Brooklyn, Nova York.

1926: Nasce a filha de Dorothy Day, Tamar Teresa.

1927: Dorothy Day se converte ao catolicismo.

1932: Dorothy Day conheceu Peter Maurin na cidade de Nova York.

1933 (1º de maio): Dorothy Day e Peter Maurin começaram a publicar O trabalhador católico jornal em Nova York.

1933: Day and Maurin fundou a primeira “casa de hospitalidade” na cidade de Nova York, que mais tarde se tornou conhecida como St. Joseph House (mais tarde juntada por Maryhouse).

1939-1945:  O trabalhador católico A circulação de caiu devido à postura pacifista de Day e de outros editores durante a Segunda Guerra Mundial.

1949: Peter Maurin's Ensaios Fáceis foram publicados.

1949: Peter Maurin morreu na fazenda Catholic Worker perto de Newburgh, Nova York.

1952: a autobiografia de Dorothy Day, A longa solidão foi publicado.

1980: Dorothy Day morre em Maryhouse Catholic Worker na cidade de Nova York.

1983: Uma proposta de canonização de Day foi apresentada pelos Missionários Claretianos.

2000: O Papa João Paulo II concedeu ao Dia o status de “Servo de Deus”, o primeiro passo para a canonização.

2012: A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos endossou formalmente a causa da santidade de Day.

2014: existiram mais de 225 comunidades de trabalhadores católicos em todo o mundo.

HISTÓRICO FUNDADOR / GRUPO

O Catholic Worker foi co-fundado por Dorothy Day e Peter Maurin. Enquanto Day é o mais conhecido dos dois, Maurin foi o mais velho. Ele nasceu com o nome de Aristide Pierre Maurin em Oultet, França, em 1877, filho de camponeses franceses e um dos filhos de 24. Nascido em uma família católica, quando jovem, ele considerava a vida religiosa, juntando-se aos irmãos cristãos. Uma pessoa criativa e quieta, inspirada na filosofia personalista francesa, especialmente no trabalho de Emmanuel Mounier, Maurin procurou viver uma vida simples e digna de trabalho manual. Em 1909, ele migrou para o Canadá e depois para os EUA, trabalhando em vários empregos como operário manual, o que acabou levando-o para a cidade de Nova York.

Vinte anos após o nascimento de Maurin na França, Dorothy Day nasceu no Brooklyn, Nova York. Seu pai era jornalista e a família mudou-se para São Francisco e Chicago enquanto ele acompanhava o trabalho. Criada nominalmente como episcopal, Day relatou mais tarde ter uma forte atração pela fé e por Deus quando criança, apesar da falta de envolvimento religioso regular de seus pais. Quando adulta, Day se tornou uma jornalista, escrevendo para jornais socialistas e anarquistas na cidade de Nova York. Uma forte defensora dos direitos dos trabalhadores e das causas feministas, Day conviveu com pensadores radicais, políticos, filósofos e artistas da cultura boêmia da cidade de Nova York na década de 1920, tendo o dramaturgo Eugene O'Neill como amigo próximo. Durante seus vinte anos, ela engravidou e fez um aborto. Mais tarde, ela se apaixonou por um biólogo chamado Forster Batterham, que se tornou seu marido em união estável. Ela passou quatro anos felizes com ele, durante os quais engravidou. De alegria e gratidão por seu filho, ela começou a assistir à missa em uma igreja católica perto de sua casa em Staten Island, Nova York. Quando ela expressou seu desejo de se converter ao catolicismo e de ter seu bebê batizado, Forster, um ateu que pouco queria ter com religião, insistiu para que ela não o fizesse. Os dois acabaram se separando, uma experiência que Day descreveu mais tarde como uma das decisões mais dolorosas de sua vida: escolher a Igreja por causa de seu amor por Forster.

Após sua conversão ao catolicismo, Day procurou uma maneira de reunir sua fé em Deus e seu compromisso de longa data com a justiça social. Ela encontrou o casamento dos dois no ensino social católico e na pessoa de Peter Maurin, que conheceu na cidade de Nova York em 1932. Juntos, Maurin e Day decidiram, em parte por causa de sua formação em jornalismo, começar um jornal focado sobre questões de direitos dos trabalhadores de uma perspectiva católica. O nascimento de O trabalhador católico jornal aconteceu no meio da Grande Depressão nos Estados Unidos. Além de publicar peças relevantes para as lutas dos trabalhadores, Day e Maurin também buscaram uma maneira de ajudar os pobres e desempregados de formas materiais, realizando o que é conhecido na tradição católica como as “Obras da Misericórdia:” alimentando os doentes, dando bebida. ao sedento, abrigando os sem-teto, acolhendo o estranho, visitando o prisioneiro, vestindo o nu e enterrando os mortos. Sua resposta: a casa da hospitalidade.

Day e Maurin começaram a convidar as pessoas para ficarem em seus apartamentos no Lower East Side da cidade de Nova York, compartilhando sua comida e oferecendo uma cama (ou até mesmo um andar) para os necessitados. Ambos acreditavam que um dos problemas das agências burocráticas de serviço social era o impersonalismo. Em contraste, Maurin foi fortemente influenciado por filósofos personalistas franceses, que viam a chave para uma "sociedade em que era mais fácil ser bom" diretamente ligada às pessoas se aproximando por meio de relacionamentos pessoais e ajudando seu irmão ou irmã em um
sacrifício pessoal. Com o tempo, seus esforços se transformaram em um grupo de voluntários que viviam em um prédio do Lower East Side (eventualmente chamado de St. Joseph House) com pessoas procurando abrigo nas ruas, administrando uma linha de sopa diária que muitas vezes se estendia e publicava. peças em Tele trabalhador católico jornal criticando as crises sociais, espirituais e pessoais subjacentes a problemas, como pobreza e racismo. Com o tempo, o jornal (e a comunidade de trabalhadores católicos) também se concentrou em questões de violência e militarismo, com a postura pacifista do grupo e a desobediência civil não violenta se tornando mais central para sua existência durante a Guerra Civil Espanhola, a Segunda Guerra Mundial, o Vietnã Guerra e no tempo presente.

À medida que a circulação do jornal cresceu e a notícia do trabalho da casa de hospitalidade se espalhou, a comunidade de trabalhadores católicos deu origem ao que ficou conhecido como o movimento dos trabalhadores católicos. Casas de hospitalidade, muitas vezes com seu próprio acompanhante jornais descrevendo seu trabalho começaram a surgir nos Estados Unidos. Em 1940, mais de trinta comunidades de trabalhadores católicos foram formadas por grupos locais em todo o país interessados ​​no tipo de trabalho que Day e Maurin descreveram em seu jornal. O crescimento do movimento foi, e continua sendo, descentralizado e desorganizado. Ninguém precisa de permissão para iniciar uma comunidade de trabalhadores católicos, nem as encarnações da visão e prática dos trabalhadores católicos precisam seguir um conjunto particular de regras ou modelos. Na verdade, o passado anarquista de Day nutriu seu compromisso com um movimento que foi informado por aqueles diretamente envolvidos, o que deixou espaço para a espontaneidade e criatividade em vez de autoridade e liderança ditando os limites das comunidades. Embora os líderes de fato de diferentes comunidades às vezes estivessem familiarizados uns com os outros, as conexões entre as diferentes comunidades de trabalhadores católicos raramente se estendiam além de amizades informais.

Em 2014, mais de 225 casas e fazendas de Trabalhadores Católicos existem nos Estados Unidos e em todo o mundo. Alguns observadores pensaram que o movimento desapareceria após a morte de Day em 1980, devido à sua centralidade como uma figura simbólica para o movimento como um todo. E embora o movimento tenha evoluído ao longo do tempo, incluindo após a morte de Day, ele continua a prosperar de muitas maneiras. Trabalhadores católicos nos EUA, Irlanda, Alemanha, México e outros países servem comida aos famintos e abrigam os sem-teto, publicam jornais criticando a política social e refletindo sobre questões espirituais, e são presos por protestar contra a guerra e o militarismo em todo o mundo.

DOUTRINAS / CRENÇAS

Por ser um movimento descentralizado, as crenças variam da comunidade do Trabalhador Católico à comunidade e também dentro das comunidades. Ainda assim, muitos grupos ao longo do movimento compartilham princípios similares, os mais comuns são declarados em “Os Objetivos e os Meios do Trabalhador Católico”, publicados anualmente em O trabalhador católico jornal. Esses objetivos e meios se concentram em criar uma sociedade, como disse o fundador Peter Maurin, “onde é mais fácil para as pessoas serem boas” centradas na “justiça e caridade de Jesus Cristo”. Elas defendem o personalismo (um foco em assumir responsabilidade pessoal para mudar as condições, em vez de depender do estado para "caridade impessoal"), bem como a descentralização das instituições da sociedade e uma "revolução verde" que cultiva as habilidades agrícolas e artesanais para autossuficiência e trabalho significativo. Embora esses princípios permeiem a cultura de muitas comunidades de trabalhadores católicos, suas ações tendem a se concentrar nas quatro práticas listadas nos Objetivos e Meios: a não-violência, as obras de misericórdia, o trabalho manual e a pobreza voluntária.

O compromisso dos Trabalhadores Católicos com a não violência cresceu ao longo dos anos. O pacifismo de Dorothy Day criou raízes antes da Segunda Guerra Mundial, mas foi fortalecido durante esse período, quando muitas pessoas deixaram o Worker ou cancelaram suas assinaturas do jornal por causa da oposição aberta de Day à guerra. Essas crenças estavam enraizadas em uma compreensão do ensino de Jesuse o comportamento nos evangelhos como sendo não violento (por exemplo, mostrar a outra face), ao mesmo tempo que perturba o status quo (por exemplo, quando Jesus derrubou as mesas dos emprestadores de dinheiro do templo). Durante a Guerra do Vietnã, os padres católicos Philip e Daniel Berrigan (amigos do Catholic Worker) encenaram a queima de cartões de recrutamento inspirado em sua fé católica. O apoio dos Trabalhadores aos Berrigan e ativistas anti-guerra semelhantes solidificou sua reputação como uma grande força de ativismo não violento, oposição à guerra e ativismo católico pela paz durante um período em que muitos jovens ficaram desiludidos com a guerra e a violência. Cada vez mais, as comunidades de trabalhadores católicos em todo o país começaram a atrair resistentes à guerra em busca de comunidades onde suas opiniões fossem apoiadas, especialmente se fossem católicos, já que os ensinamentos oficiais da Igreja Católica eram muito mais abertos à guerra e à violência em certas circunstâncias.

As Obras de Misericórdia (realizadas pela maioria na tradição dos Trabalhadores Católicos de alimentar os famintos, dar de beber aos sedentos, vestir os nus, proteger os sem-teto, cuidar dos enfermos, visitar os presos e enterrar os mortos) estão em alguns formas mais centrais para as crenças dos Trabalhadores Católicos, uma vez que a primeira casa de hospitalidade foi iniciada para permitir a sua prática. Na tradição cristã, especialmente na tradição católica, as obras de misericórdia são vistas como centrais para a vida cristã. No capítulo vinte e cinco do evangelho de Mateus, relata-se que Jesus disse a seus seguidores que, para entrar no reino dos céus, eles tinham que fazer essas coisas por seus irmãos e irmãs necessitados, assim como fariam. O próprio Jesus. As comunidades de trabalhadores católicos não apenas realizam obras de misericórdia, mas também encorajam outros a se envolverem em práticas semelhantes. Além disso, essas crenças centrais dos trabalhadores católicos sobre o que significa ser cristão são proclamadas em várias obras de arte, que muitas vezes são exibidas nas casas como lembretes da importância das obras de misericórdia para a vida dos trabalhadores católicos.

Muitos trabalhadores católicos também acreditam na importância do trabalho manual e da pobreza voluntária, embora essas crenças sejam menos centrais porque nem todos os membros da comunidade compartilham esses compromissos. Ainda assim, a maioria das comunidades de trabalhadores católicos valorizam a simplicidade, vivendo em quartos pequenos com camas simples, comendo alimentos doados com pratos doados, vestindo roupas doadas e fazendo grande parte do trabalho das casas (lavar pratos, esfregar o chão, consertar paredes ), independentemente de os voluntários em tempo integral terem diploma universitário ou serem oriundos de origens abastadas. A maioria das casas de hospitalidade são estabelecidas como locais onde as pessoas podem trabalhar com as próprias mãos e onde, muitas vezes, voluntários de classe média bem-educados vivem nas mesmas condições que as pessoas da rua que foram convidadas a morar na casa como hóspedes. A crença na importância do trabalho manual está enraizada na convicção de que muitos dos males da sociedade contemporânea são devidos a uma alienação dos produtos do trabalho, bem como a crença de que o trabalho manual é bom para o corpo e a mente. A pobreza voluntária é vista como importante porque nos separa do consumismo desenfreado nas sociedades capitalistas modernas, bem como nos ajuda a viver em solidariedade com os pobres.

RITUAIS / PRÁTICAS

Os rituais dos Trabalhadores Católicos são centrados nas obras de misericórdia e protesto não violento contra o militarismo, a falta de moradia e outras questões enfrentadas por muitas sociedades contemporâneas. Muitas comunidades também participam de rituais católicos tradicionais, como a missa e a oração da liturgia das horas (normalmente, vésperas). Os rituais também incluem esforços intelectuais, como reportar e escrever como parte da publicação de jornais e boletins informativos pelas comunidades. Muitos desses rituais envolvem, intencionalmente ou não, o ato de distanciar o Trabalhador Católico de outros grupos, como a Igreja Católica Romana e agências de serviço social (Yukich 2010).

Embora cada comunidade seja diferente, a maioria das comunidades de trabalhadores católicos se engaja regularmente nas obras de misericórdia. Muitos têm cozinhas de sopa, despensas de alimentos e / ou armários de roupas. Vários livros e artigos foram escritos narrando o trabalho da comunidade original dos Trabalhadores Católicos na cidade de Nova York. Muitos deles incluem detalhes sobre os rituais diários da comunidade, que fornecem uma noção do que o ritual do Trabalhador Católico envolve. Na St. Joseph House, em Nova York, há uma linha de apoio de segunda a sexta-feira. Todas as manhãs, há um voluntário designado para fazer a enorme panela de sopa. Outros voluntários aparecem mais tarde para passar manteiga no pão e preparar jarras de chá quente. Antes do início da linha de apoio, os voluntários todos se dão as mãos e oram pela bênção de Deus sobre a comunidade e todos os que lá comerem naquele dia. Em seguida, as pessoas começaram a entrar em fila na porta da frente, sentando-se às mesas onde um dos voluntários serve uma tigela de sopa. Os voluntários também trazem chá e pão, servindo os convidados como se fossem servidos em um restaurante. Freqüentemente, os voluntários reservam um momento para sentar e conversar com um dos convidados, especialmente se virem alguém conhecido.

Depois que a linha de apoio termina, muitos dos voluntários vão para suas casas e empregos. Voluntários que moram lá fazem o almoço para todas as pessoas que moram na casa. A tarde é normalmente um período mais silencioso. Alguns voluntários acompanham os residentes ao médico compromissos, enquanto outra pessoa faz o jantar para a comunidade, que sempre começa no 5 PM. Alguém da Maryhouse, a outra casa de hospitalidade da cidade de Nova York, localizada a duas quadras de distância, vem com um carrinho de supermercado para pegar sua porção do jantar. Depois que todos terminarem de comer, os pratos devem ser feitos, as mesas limpas e os pisos limpos. Nas noites de terça-feira, esses rituais são seguidos por uma missa católica: um padre vem à casa toda semana apenas para a ocasião. Nas noites de sexta-feira, eles são seguidos por “reuniões de sexta à noite” abertas ao público em tópicos que variam desde a espiritualidade de Santa Teresa de Ávila até a prisão da Baía de Guantánamo.

Além dos rituais cotidianos da comunidade, nos quais as obras de misericórdia são centrais, muitos trabalhadores católicos também estão regularmente envolvidos em atos de desobediência civil que protestam contra a guerra e outras formas de violência. Um dos locais mais comuns para esses protestos é o centro de recrutamento das forças armadas na Times Square. Em um protesto típico, ativistas do Catholic Worker e grupos de mentalidade similar levam as placas ao centro de recrutamento, ficam de fora com as placas e bloqueiam a entrada para proibir a entrada de qualquer pessoa. Depois de um certo período de tempo, policiais vêm e prendem os que bloqueiam a entrada. Normalmente, alguns ativistas ficam para recolher os cartazes e levá-los de volta para casa. Depois de passar um curto período na prisão, os manifestantes geralmente são libertados, embora depois tenham que comparecer ao tribunal. A maioria usa as aparências judiciais como uma oportunidade para compartilhar seus pontos de vista sobre a imoralidade e a ilegalidade da guerra e da violência.

Embora esses sejam alguns dos rituais comuns na comunidade de Nova York, uma vez que cada comunidade de trabalhadores católicos é diferente, os rituais de cada comunidade também diferem. Alguns não celebram missas regulares em suas casas de hospitalidade. Alguns não estão regularmente envolvidos na desobediência civil. No entanto, a maioria tem alguma forma de refeição compartilhada com os moradores de rua e outras populações empobrecidas: se há algum ritual comum à maioria das comunidades, seria esse tipo de atividade. Os rituais de refeições compartilhadas, tempo compartilhado na prisão, celebração de missa compartilhada e outros não apenas permitem que os Trabalhadores Católicos vivam suas crenças, mas também servem para uni-los, criando comunidades unidas.

ORGANIZAÇÃO / LIDERANÇA

A partir da 2014, existem mais de 225 Catholic Worker e fazendas ao redor do mundo. A maioria destes está localizada nos Estados Unidos, particularmente no Nordeste, Centro-Oeste e Oeste, onde uma porcentagem maior da população geral é católica do que no sul. Aproximadamente vinte e cinco comunidades estão localizadas em outros países, a maioria na Europa Ocidental, embora algumas estejam em lugares como a América Central, a Nova Zelândia e a África. As comunidades variam em tamanho e, devido ao caráter descentralizado e informal do movimento, não há lista de membros. Como exemplo, na comunidade da cidade de Nova York, cerca de quinze pessoas são voluntárias em tempo integral que moram perto ou nas casas de hospitalidade. Outras trinta pessoas moram nas casas como hóspedes, a longo prazo e a curto prazo, ficando lá até se recuperarem. A comunidade local maior de “amigos da casa” (cerca de cinquenta pessoas a qualquer momento) inclui voluntários regulares, bem como pessoas que participam das reuniões de sexta à noite, missas domésticas ou outras atividades comunitárias. Em termos de interesse e apoio mais amplos, o jornal da comunidade, O trabalhador católico, tem mais de 20,000 assinantes em todo o país. A comunidade é financiada inteiramente por meio de doações privadas de apoiadores individuais, que podem ser vagamente considerados parte do movimento devido ao apoio de seu trabalho em andamento.

Em comunidades menores de trabalhadores católicos, muitas vezes um casal começa uma casa de hospitalidade, administra em sua casa com um ou dois outros voluntários em tempo integral e convida três ou quatro convidados para ficar com eles. Em termos de tamanho, a maioria das comunidades fica em algum lugar entre a comunidade de Nova York e a pequena comunidade familiar, com comunidades em áreas urbanas muitas vezes maiores do que aquelas em áreas mais rurais, onde a maioria das fazendas católicas de trabalhadores estão localizados. Fazendas de trabalhadores católicos muitas vezes fornecem descanso para voluntários de áreas urbanas, bem como um lugar para se envolver em trabalho manual, para se conectar com a terra e para cultivar alimentos que podem ser servidos em cozinhas de sopa urbana.

The Catholic Worker é mais bem caracterizado como um movimento do que como uma organização. Os trabalhadores católicos procuram diferenciar-se da sociedade dominante; também procuram desafiá-lo, oferecendo o que consideram uma maneira melhor de viver. O movimento é descentralizado e relativamente desorganizado e não tem um líder oficial. Embora Dorothy Day tenha sido considerada a líder não oficial do movimento, desde sua morte nenhuma figura surgiu para preencher esse papel. No entanto, certas comunidades são freqüentemente vistas como particularmente importantes ou como modelos para outras comunidades. Como a comunidade original, a comunidade da cidade de Nova York é freqüentemente vista como o porta-estandarte pelas comunidades em outros lugares. Ainda assim, algumas outras comunidades o consideram muito influenciado pelo legado de Day e muito lento para se adaptar aos tempos atuais, demonstrando a diversidade de visões em relação à visão do Trabalhador Católico dentro do movimento. A autoridade reside principalmente na comunidade local, e cada uma dessas comunidades organiza essa autoridade de maneira diferente. Na comunidade da cidade de Nova York, teoricamente, uma pessoa designada “na casa” é responsável por um período fixo de tempo, após o qual outra pessoa está no comando. Mas, na prática, grande parte da autoridade repousa sobre os voluntários de tempo integral que assumem a maioria desses turnos de casa, principalmente voluntários que moram na comunidade por um longo período de tempo. Em outras comunidades, especialmente em organizações sem fins lucrativos, há um conselho de diretores ou membros da equipe em tempo integral que são responsáveis ​​pela comunidade.

A Igreja Católica é autorizada no movimento dos Trabalhadores Católicos apenas na medida em que a maioria das comunidades se vê como católica e deseja se envolver com a igreja em vez de ignorá-la. No entanto, muitas comunidades discordam abertamente de certos ensinamentos e práticas da Igreja, alegando que o ensino da “primazia da consciência” lhes dá o direito (mesmo o dever) de discordar de ensinamentos que acreditam ser contra a vontade de Deus. Algumas comunidades não se identificam como católicas, como a Haley House, em Boston. Apesar de certas comunidades aderirem mais aos ensinamentos e práticas da Igreja do que outras, a variação no grau de adesão às vezes cria conflito dentro do movimento, com alguns desejando impor maior uniformidade e conformidade às comunidades do movimento.

A maioria das comunidades de trabalhadores católicos recusam o status de 501 (c) 3 e financiamento do governo porque não querem cooperar com o que consideram um sistema corrupto e violento. Em vez disso, seu trabalho é apoiado inteiramente por doações privadas. Estes incluem doações em dinheiro de apoiantes, bem como doações de alimentos e roupas de empresas locais e membros da comunidade. Como resultado, as comunidades estão, em teoria, comprometidas com os doadores que as apóiam. Enquanto o grau em que isso é realmente o caso, certamente varia de acordo com a comunidade, em muitas comunidades, os doadores têm pouco impacto na tomada de decisões. Porque os Trabalhadores Católicos são atraídos para a comunidade com base em um compromisso com princípios compartilhados, é improvável que eles mudem esses princípios simplesmente para fazerdoadores felizes. Há uma história dessa recusa em se comprometer dentro do movimento. Como mencionado anteriormente, durante a Segunda Guerra Mundial, Dorothy Day escreveu em O trabalhador católico jornal sobre sua relutância em comprometer sua postura pacifista na guerra. Suas opiniões eram muito impopulares, e o jornal perdeu milhares de assinantes (e doadores) como resultado. Ainda assim, Day estava convencido de que ela estava certa e que Deus proveria a comunidade de outras formas, e a comunidade sobreviveu a esse período e a outros períodos difíceis em sua história.

Trabalhadores católicos veem doações como dádivas de Deus e afirmações do seu trabalho, e não como justificativa para os doadores influenciarem o movimento. De fato, a maioria das pessoas que doam para o Trabalhador o fazem precisamente porque querem apoiar um grupo antiautoritário que não esteja ligado a nenhum conjunto específico de interesses. De acordo com sua filosofia personalista, os membros da comunidade procuram manter um bom relacionamento com seus doadores, preocupando-se com eles como pessoas e demonstrando gratidão a eles por seus presentes. Esses relacionamentos formam a base para doações contínuas, não apenas a adesão às mesmas ideias e princípios.

PROBLEMAS / DESAFIOS

O Movimento Operário Católico enfrentou vários desafios ao longo do tempo, alguns comuns ao movimento como um todo e alguns específicos a comunidades particulares. Em uma escala ampla, a morte de Dorothy Day em 1980 deixou o movimento um pouco sem rumo. Sua personalidade e liderança carismática foram fundamentais não apenas para as comunidades da cidade de Nova York, mas também para a visão do Trabalhador Católico em geral. Ainda assim, o caráter descentralizado e desorganizado do movimento permitiu que ele se ajustasse, sobrevivesse e prosperasse mesmo após a morte de seu cofundador e figura central. Nenhum indivíduo surgiu para tomar o lugar de Day como uma inspiração abrangente para o movimento como um todo, embora não esteja claro que isso seja necessariamente um desafio para o movimento e seu futuro, a não ser torná-lo menos proeminente na grande mídia.

Isso pode se tornar um problema maior à medida que a Igreja Católica avança nos esforços para tornar Dorothy Day uma santa. Por causa de sua forte associação com o movimento dos Trabalhadores Católicos, ela continua sendo a face pública do movimento e de tudo o que ele representa. Mas à medida que a Igreja leva Day em direção à santidade, ela sistematicamente minimiza certos aspectos da vida e do pensamento de Day, ao mesmo tempo em que enfatiza outros que eram muito menos centrais em seu trabalho diário, mas estão mais alinhados com os ensinamentos da hierarquia da Igreja. Por exemplo, enquanto as discussões da Igreja sobre a vida de Day muitas vezes encobrem seu anarquismo e pacifismo, elas frequentemente enfatizam seu arrependimento pelo aborto e suas crenças ortodoxas sobre sexualidade.

Os trabalhadores católicos discordam sobre muitas coisas. Alguns acreditam que todas as comunidades de trabalhadores católicos devem ser católicas (e, além disso, alguns acham que deveriam concordar com todos os ensinamentos da Igreja), enquanto outros não acreditam nessas restrições. Alguns mantêm regras rígidas sobre o uso da tecnologia, seguindo as posições de Day e Maurin sobre as formas como a tecnologia era prejudicial em geral e em particular para os pobres, enquanto outros têm sites e / ou páginas do Facebook engenhosos. Algumas comunidades se recusam a se candidatar ao status de organização sem fins lucrativos (501 (c) 3), argumentando que as comunidades devem praticar a não cooperação com o estado e evitar a burocratização, enquanto outras vêem o status de organização sem fins lucrativos como uma forma de realizar as obras de misericórdia de forma mais eficaz. Essas divergências são importantes, mas como o movimento é descentralizado, raramente ameaçam a existência do movimento porque os grupos são independentes e muitas vezes têm pouca interação concreta entre si, liberando cada um para operar como desejar.

Os maiores desafios do movimento emergem não de conflitos entre comunidades, mas de mudanças demográficas dentro delas. Muitas comunidades locais foram iniciadas por uma única família ou mesmo um casal. Embora normalmente cresçam para incluir um número maior de pessoas, essas pessoas costumam ser mais temporárias, com os fundadores sendo a cola que mantém a comunidade unida. À medida que esses fundadores envelhecem, às vezes é difícil saber quem, se houver alguém, será capaz de administrar a comunidade no futuro.

A questão de quem manterá as comunidades locais funcionando é importante também em casas maiores e mais estabelecidas. À medida que os membros e líderes da comunidade de longa data envelhecem, eles às vezes se preocupam com o fato de que não há pessoas novas em número suficiente se envolvendo com o Trabalhador Católico para manter as casas e o próprio movimento funcionando. Na comunidade da cidade de Nova York, por exemplo, ainda há pessoas na casa que conheceram Dorothy Day quando ela era viva, mas a maioria delas está na casa dos sessenta ou setenta anos ou já faleceu nos últimos anos. É possível que a Obra Católica tenha permanecido forte após a morte de Day porque alguns de seus contemporâneos estavam vivos para manter sua visão. O verdadeiro teste pode ser se essas comunidades sobreviverão uma vez que essa era tenha definitivamente terminado.

A falta de jovens em particular é uma preocupação urgente em algumas comunidades operárias católicas. Em muitas comunidades, pessoas na casa dos vinte e trinta anos são voluntárias uma ou duas vezes por semana, ou mesmo por vários meses. No entanto, algumas comunidades têm dificuldade em encontrar jovens empenhados em aderir ao movimento a longo prazo. Isso torna difícil prever qual será a trajetória das comunidades e se elas terão liderança estável no futuro. As fortes críticas dos Trabalhadores Católicos ao consumismo e à tecnologia são especialmente desafiadoras para os jovens em uma época em que ambos são partes integrantes da vida diária. Mudanças demográficas na Igreja Católica também podem representar um desafio para a longevidade contínua: cada vez mais, jovens católicos americanos comprometidos vêm de famílias católicas mais "tradicionais", com filhos de católicos mais "liberais" (e a maioria dos jovens católicos em geral) cada vez mais deixando o Igreja completamente (Smith et al. 2014). O número de prováveis ​​trabalhadores católicos pode estar diminuindo, pelo menos nos Estados Unidos

Apesar desses desafios, novas comunidades de trabalhadores católicos continuam a surgir. Recentemente, a primeira comunidade de trabalhadores católicos na África começou em Uganda. Talvez comunidades mais estabelecidas eventualmente fechem, enquanto comunidades em outros lugares, incluindo fora dos EUA, crescerão. Embora possam achar triste imaginar o declínio de suas próprias comunidades, muitos trabalhadores católicos também reconheceriam que o fluxo e refluxo das comunidades está de acordo com a visão do Trabalhador Católico. Dorothy Day gostava de dizer que o Trabalhador Católico era como uma escola onde os alunos vinham aprender e depois iam embora para incorporar as obras de misericórdia em outros empreendimentos (Riegle 2014). Ela acreditava que o movimento continuaria existindo enquanto houvesse necessidade disso. Hoje, a pobreza, o militarismo, o consumismo e os excessos da tecnologia continuam sendo questões centrais na sociedade americana. A questão é se eles ainda são vistos como problemas e se uma abordagem especificamente católica para essas questões ainda tem ressonância em larga escala. Enquanto a resposta a ambas as perguntas for sim, o movimento do Trabalhador Católico provavelmente permanecerá vibrante, oferecendo sua resposta simples, mas profética, ao sofrimento do mundo: “a única solução é o amor” (Dia 1952: 285).

REFERÊNCIAS

Aronica, Michele Teresa. 1987. Além da liderança carismática: o movimento operário católico de Nova York. New Brunswick, NJ: Transaction Books.

Cornell, Tom. 2014. “Uma Breve Introdução ao Movimento dos Trabalhadores Católicos”. Site do Catholic Worker. Acessado de http://www.catholicworker.org/historytext.cfm?Number=4 4 2014 em novembro.

Coy, Patrick G. 2001. “Uma experiência na política personalista: o movimento operário católico e a ação não violenta” Paz e Mudança 26: 78-94.

Dia, Dorothy. 1952. A longa solidão. São Francisco, CA: Harper & Row.

Forest, Jim. 2014. “Peter Maurin: co-fundador do movimento dos trabalhadores católicos.” O website Catholic Worker. Acessado de http://www.catholicworker.org/roundtable/pmbiography.cfm 4 2014 em novembro.

McKanan, Dan. 2008. O trabalhador católico depois de Dorothy: praticando as obras de misericórdia em uma nova geração. Collegeville, MN: Liturgical Press.

Murray, Harry. 1990. Não negligencie a hospitalidade: o trabalhador católico e os sem-teto. Filadélfia, PA: Temple University Press.

Riegle, Rosalie G. 2014. "O movimento dos trabalhadores católicos em 2014: uma apreciação." O montre al revisão, Agosto 2014. Acessado de http://www.themontrealreview.com/2009/The-Catholic-Worker-Movement.php 4 2014 em novembro.

Smith, Christian, Kyle Longest, Jonathan Hill e Kari Christoffersen. 2014. América católica jovem: adultos emergentes, provenientes e fora da igreja. Nova York: Oxford University Press.

Spickard, James V. 2005. "Ritual, símbolo e experiência: entender as massas da Casa dos Trabalhadores Católicos". Sociologia da Religião 66: 337-57.

Thorn, William J., Phillip M. Runkel e Susan Mountin, eds. 2001. Dorothy Day e o trabalhador católico: Ensaios Centenários. Milwaukee, WI: Marquette University Press.

Yukich, Grace. 2010. “Trabalho de fronteira em comunidades religiosas inclusivas: construindo identidade no New York Catholic Worker”. Sociologia da Religião 71: 172-96.

Zwick, Mark e Louise Zwick. 2005. O movimento operário católico: origens intelectuais e espirituais. Mahwah, NJ: Paulist Press.

Publicar Data:
9 novembro 2014

CONEXÕES VIDEO DO MOVIMENTO DO TRABALHADOR CATÓLICO

Compartilhe